DE CÁ E DELÁ

Daqui e dali, dos lugares por onde andei ou por onde gostaria de ter andado, dos mares que naveguei, dos versos que fiz, dos amigos que tive, das terras que amei, dos livros que escrevi.
Por onde me perdi, aonde me encontrei... Hei-de falar muito do que me agrada e pouco do que me desgosta.
O meu trabalho, que fui eu quase todo, ficará de fora deste projecto.
Vou tentar colar umas páginas às outras. Serão precárias, como a vida, e nunca hão-de ser livro. Não é esse o destino de tudo o que se escreve.

sábado, 14 de junho de 2014

  

        CRÓNICAS DE AMSTERDÃO  

                         III

 OS MUSEUS E A SINAGOGA PORTUGUESA


Nós, portugueses, não somos um povo com grandes tradições na música e na pintura. Voltámo-nos mais para a literatura e, em especial, para a poesia. Talvez por isso nos impressione tanto a pujança da arte flamenga.
Os museus mais importantes de Amsterdão estão agrupados na Museumplein (Praça dos Museus). A praça é limitada a nordeste pelo grande Rijksmuseum.


Em frente dele situa-se um grande lago que no inverno se transforma em ringue de patinagem no gelo. A noroeste podem ver-se os museus Van Gogh e Stedelijk e o Coster Diamonds (Museu dos diamantes).
Visitámos o museu Van Gogh e passámos algumas horas no museu Rijks.

                                                                Noite estrelada

Van Gogh viveu durante algum tempo em Amsterdão. 


                                    Van Gogh retratado por Gauguin

     O museu que tem o seu nome possui um grande número de quadros do grande pintor holandês, incluindo Os comedores de batatas. É o mais visitado da cidade.

                                                     Os comedores de batatas

No Rijksmuseum está exposta uma impressionante coleção de arte holandesa clássica, com realce (a meu ver) para Rembrandt e Vermeer.

                                                         A ronda da noite


                                            A leiteira

     Nesta curta viagem, visitámos mais museus do que vem sendo hábito nosso, mas não resistimos a dar uma vista de olhos à Sinagoga Portuguesa e ao Museu Histórico Judaico que lhe fica em frente.

                                     SINAGOGA PORTUGUESA

Em Amsterdão nunca existiu um ghetto delimitado pelas autoridades. No entanto, os judeus agrupavam-se na parte oriental do centro medieval da cidade. A rua principal da judiaria era a Jodenbreestraat, na vizinhança da Praça Waterloo e do Nieuwmarket.  



SINAGOGA PORTUGUESA



    Uma parte dos edifícios foi demolida na segunda metade do sec. XX, quando se construiu o comboio metropolitano.
                                     
É impossível não estabelecer uma ligação histórica entre os anos de ouro de Portugal e da Holanda. Portugal atingiu o seu esplendor no sec. XVI e a Holanda viveu o seu século de ouro logo a seguir.
As naus das Índias e do Brasil não dependiam apenas de marinheiros e de soldados. Eram necessários armadores, dispostos a arriscar os seus capitais. Muitos deles, em Portugal, eram judeus.



 Dos nossos reis, não sei qual foi o que fez mais mal a Portugal. Terá sido o jovem Sebastião, que conduziu milhares de jovens portugueses à morte nos areais de Alcácer Quibir, ou o “venturoso” Manuel, que expulsou os judeus do reino?



Muitos dos hebreus foragidos encontraram abrigo em Amsterdão. Para agradar aos futuros sogros, Manuel I mandou embora uma boa parte da elite intelectual portuguesa. Ao tempo, poucos portugueses sabiam, ler, a menos que fossem clérigos ou judeus. Manuel I decapitou o reino, como o tinham feito ao lado os reis Fernando e Isabel. O que aconteceu depois lê-se nos livros de História. Aqueles que foram obrigados a partir levaram com eles os seus capitais e o know-how, incluindo as cartas de marear. Acabaram por concorrer nos mares com a Pátria que os não quis
A Holanda ganhou uma “inteligência” nova. Tratando-se de um país pequeno, soube crescer e, durante perto de um século, dominou economicamente o mundo.


Imagens: são minhas apenas as fotografias 7,8 e 11. As restantes foram retiradas da Internet.



1 comentário: