DE CÁ E DELÁ

Daqui e dali, dos lugares por onde andei ou por onde gostaria de ter andado, dos mares que naveguei, dos versos que fiz, dos amigos que tive, das terras que amei, dos livros que escrevi.
Por onde me perdi, aonde me encontrei... Hei-de falar muito do que me agrada e pouco do que me desgosta.
O meu trabalho, que fui eu quase todo, ficará de fora deste projecto.
Vou tentar colar umas páginas às outras. Serão precárias, como a vida, e nunca hão-de ser livro. Não é esse o destino de tudo o que se escreve.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

CRÓNICAS DE ANGOLA - AS ORQUÍDEAS DA CHITULA

 
A Licita gaba-se de ter transformado o marido, advogado e filho de um funcionário administrativo, em agricultor e criador de gado. Pelo que me foi dado ver, a transformação não foi assim tão completa. Tiro, no entanto, o chapéu, às belas orquídeas que implantou nos troncos de várias das árvores que rodeiam as casas da fazenda.

A temperatura e a humidade do ar terão contribuído para o sucesso do jardineiro.


Não sou suficientemente tolo para me pôr a descrever flores, dispondo de fotografias. Seria o mesmo que falar de mulheres bonitas, sem as mostrar.


       Limito-me a exibi-las. Os comentários ficam para o leitor.

 

Mas que são lindas, são...





A maior parte das fotos deste artigo saiu da máquina do Carlos Alberto.




Sem comentários:

Enviar um comentário